sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Descalço

E agora Jesus
A banda está muda
Com boca vendada
Não ouve
Nem vê

E agora cabeça
Responda ao Mestre
Que estamos só nós

Sobre a terra enterrada
descalço, em paz

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Ao giro


AO GIRO

Ao meio dia
a mesa virou

Completo o giro
pois sei quem sou

Sempre em frente
ao mundo
o giro

Guerreiro 
ou espada 
Oh E.S.

Sempre em frente
ao mundo
o giro

sábado, 4 de agosto de 2018

Nenhuma


Nenhuma

Dentre tantas mulheres
desconheço nenhuma

Pergunte-me porque estou preocupado
Nenhuma sempre está ao meu lado

Como ninguém
Nenhuma é fiel 
Nenhuma é verdadeira
Nenhuma é a que guardo

Mais que nada
por nenhuma
faço a limonada

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Arreganho


ARREGANHO

E eu com isto
Sai da frente
O que que eu ganho?

E eu com isto
Vamos em frente

ganho
a ganho

Mente sã
não é plágio
É arreganho

domingo, 3 de junho de 2018

Avatar


AVATAR

Na pedreira, 
estávamos lá
com pena em punho
a registrar

O golpe seco do machado
ao vinho tinto
sangrar

Judá rugia
ao povo todo
quando Jáh veio anunciar

'Ogunhê', disse o Escudeiro
'Kaô', disse o Avatar

'Oxalá soubesse'
'O que está escrito,
venho registrar'

'Venha', disse o Escudeiro
'Vamos', disse o Avatar

terça-feira, 29 de maio de 2018

Café II

No café, 
caboclo serviu fé

ao velho, 
enrolou fumo

chimarrão, 
ao pajé

Café

CAFÉ

Vem cá, Camões
Me explica esta história
Que trago na memória 
Além das estações

Ninguém entendeu nada
O que seria a limonada
Dos azedos limões

Ser poeta
Ou ser atleta
No fim, tanto faz

Preciso mesmo é fazer dieta
Entrar em forma e estar em paz

Nestes versos nem reclamo
Apenas agradeço e proclamo
Que a gente faz

Seja em prosa
Seja em verso
Imagem, áudio, vídeo ou texto
Psicografar é pretexto
A este nosso rapaz

segunda-feira, 30 de abril de 2018

sábado, 14 de abril de 2018

Caro contrato


Caro contrato

Ao pôr-do-Sol 
O diabo pediu suas bitucas
Em sangue, estava assinado
O pacto
E o contrato

O barato sai caro
Foram avisados

Enfim, Axé
O início
À fé

Som do diabo


Som do diabo

O incenso queima ao som do diabo
Velas em fumaça, nas esquinas e praças
Ouçam-me agora

O incenso queima ao som do diabo
Álcool; nem venha beber

Garoto, entenda o esquema
Liberte-se, ao ser

Acordado


Acordado

A meia noite há duelos
Que existem no meu pensamento
Duelos que se sucedem
Duelos que sempre venço

Durma garoto
Pois é seu dia
As sete horas há duelos
Que existem no pensamento
Duelos que se sucedem
Duelos que sempre venço

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Babá


BABÁ

"O" mãe lavou a louça
"A" papai estava a beber
Zi Nino fazia fumaça
Babá estava a escrever

O poema era sucinto
Em versos que ainda sinto
Ao universo dizer